Chacras

Chackra / chakra (pronuncia-se com tchá) para chacra. Outros, fiéis ao sânscrito, escrevem chakra, mas até então temos utilizado karma com k, que também pode ser utilizado com c. Hinduístas e iogues (Rishis), há cerca de cinco a oito mil anos atrás, já estudavam os chacras, que são rodas, pontos de energia ou centros de força específicos, que fazem parte do corpo bioenergético, duplo etérico, holochacra ou energossoma. Sua função principal radica nas trocas de energia (prana) do meio ambiente para o interior do campo energético e físico. Quando inativos, assemelham-se a rodas. Quando despertam, tomam a aparência de uma flor (lótus) aberta, irradiante, de cor clara fulgurante, em razão da frequência da energia das pétalas. No ser humano comum cada chacra principal possui dois ou três centímetros de diâmetro e fraca luminosidade. As formas e as características luminosas vão se ampliando com o aperfeiçoamento extrafísico. Quanto mais evoluído o ser, mais percebe e emprega com inteligência as funções dos chacras.

Os sete mais importantes (na ordem de cima para baixo): chacra coronário (cocuruto), chacra frontal (no meio da testa e um pouco abaixo), chacra laríngeo (base da garganta), chacra cardíaco (no meio do peito), chacra umbilical ou gástrico (dois centímetros acima do umbigo), chacra sacro (sexual) e chacra básico (radical ou perineal ). O chacra esplênico (baço) é um chacra secundário, pois não está associado a nenhuma glândula. Estes podem estar bloqueados ou sadios, lentos ou rápidos. Dependendo da forma que você conduz sua vida, poderá ter uns ou outros chacras mais desenvolvidos. Há um conceito popular que diz que os chacras se desalinham, mas isto não é verdade. Os chacras podem estar obstruídos, mas nunca desalinhados, embora em deformidades físicas possam estar ausentes ou alterados conforme o caso.

Em outras palavras, os sete principais chacras acima aludidos (coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical , sexual e básico) espelham a mentalidade e o modo de vida diário de cada ser. Quando se disser que o chacra coronário é o que prevalece na vida de determinada pessoa, entenda que ela é muito espiritualizada . Porém, se “vive pelo chacra umbilical”, trata-se de indivíduo mais animalizado. Por outro lado, se nele predomina o cardíaco, nele prepondera a índole afetuosa.

Centros de consciência: “Os chacras inferiores retêm o homem na vida animal, propiciando-lhe , no entanto, as energias necessárias à sobrevivência, enquanto os superiores buscam acelerar a evolução do indivíduo.” “No Yoga se afirma que cada chacra é constituído metade dele mesmo e metade dos seis chacras restantes . As características funcionais de um chacra seriam, assim, influenciadas pelos outros chacras.” Os chacras não são simples centros energéticos, mas também centros de consciência. A esse respeito, esclarece o Lama Anagarika Govinda: “Enquanto que, de acordo com as concepções ocidentais, o cérebro é a sede exclusiva da consciência, a experiência iogue mostra que nossa consciência cerebral é apenas “uma” entre muitas formas possíveis de consciência, e de acordo com suas funções e natureza, pode ser localizada ou centralizada em vários órgãos do corpo. Estes “órgãos” que coletam, transformam e distribuem as forças que fluem através deles são chamados de chacras ou centros de força. Deles irradiam correntes secundárias de força psíquica, comparáveis aos raios de uma roda, às varetas de um guarda-chuva, ou às pétalas de um lótus”. Jung os considera também centros de consciência, ou seja, “ uma espécie de graduação de consciência que vai desde a região do períneo até o topo da cabeça” ( Fundamentos de Psicologia Analítica, Vozes, 1972, pg. 26). E reafirmou na conversação: “Os chacras são centros de consciência. Os inferiores são centros de consciência animal. Existem outros centros ainda abaixo do Muladhara.” (pg. 72). “Os chacras são centros de consciência. Os inferiores são centros de consciência animal. Existem outros centros ainda abaixo do Muladhara.”

Descrição dos sete chacras:

CORONÁRIO ( do sânscrito : sahashara: “o lótus das mil pétalas”); Topo da cabeça; ligado à glândula pineal (epífise); bijamantra: brahmarandra ou o OM. O despertamento deste chacra se dá em decorrência do desenvolvimento dos outros chacras, principalmente o frontal . Favorece a expansão da consciência, do nirvana (Budismo), samadhi ou consciência cósmica. Atua na memória, quando de retorno das saídas do corpo (viagens astrais). Na verdade possui 972 pétalas exatamente, onde 12 são internas e 960 são externas. Estas 12 pétalas internas possuem íntima ligação com o chacra cardíaco, obrigando ao ser humano evoluir pelo amor.

FRONTAL (do sânscrito: ajnã: “centro de comando”); testa; ligado à glândula hipófise; pituitária); bijamantra: OM. Quem sente o frontal vibrar, pulsar ou latejar, é porque já despertou a kundalini, ocorrência comum nos médiuns desenvolvidos. Quando ativado, desperta a clarividência e a intuição e dá as seguintes sensações na testa: pulsações, ardência, intumescimento. Possui 96 pétalas.

LARÍNGEO (do sânscrito: vishudda: “O purificador”); Garganta ; ligado à glândula tireoide (e paratireoides); Bijamantra: ham. Ligado às cordas vocais (comunicação), boca (mastigação e salivação) e traqueia e laringe (respiração ). Quando bem desenvolvido favorece a comunicação. Médiuns de psicofonia possuem o chacra laríngeo desenvolvido. Possui 16 pétalas.

CARDÍACO (do sânscrito: “Anahata”:“Invicto”;“Inviolado”); Coração; ligado à glândula timo; Bijamantra: yam. Trabalha a área cardiorrespiratória e os sentimentos. O coração sofre a ação do que a consciência sente a nível afetivo. Possui 12 pétalas.

UMBILICAL (do sânscrito: “Manipura”:“cidade das joias”); Cerca de dois centímetros acima do umbigo (controla toda a região do plexo solar); ligado à glândula pâncreas; Bijamantra: ram (pronuncia-se “ra” m). Também chamado de cérebro abdominal ou coração moral das entranhas. Quando está aberto funciona como um radar psíquico, sente sem ver, instinto . Alimentação viscosa, conforme quantidade, bloqueia este chacra como: nozes, cafeína, castanha de caju, amendoim e chocolate, do qual médiuns e projetores devem evitar próximo ao momento de seus trabalhos espirituais. Este chacra é responsável pelas emoções mais instintivas (média da humanidade): ódio, inveja , ciúme, raiva , orgulho, vaidade, medo, egoísmo e outros sentimentos densos. Possui 10 pétalas.

SACRO ( do sânscrito : Swadhistana: “Morada do Prazer”); Região do baixo ventre (pela sua própria localização no corpo, esse chacra seria melhor denominado como “gênito-urinário”); ligado às gônadas (homem: testículos; mulher: ovários); Bijamantra: vam. Possui 6 pétalas.

BÁSICO (do sânscrito: muladhara: “Base e fundamento”; “Suporte”); base da coluna; ligado às glândulas suprarrenais; bijamantra: lam. Sede da kundalini, fogo serpentino ou poder ígneo. China (Taoísmo ): “Tan Tien inferior” (” esfera do elixir interior”); Japão: hara (” Parte inferior da barriga”). Quando bem desenvolvido, propicia autoconfiança, segurança e prazer em viver. Possui 4 pétalas.

Há muito mais chacras do que os sete principais. Há chacras secundários nas palmas das mãos (palmochacras), plantas dos pés (plantochacras), pulmões, fígado, estômago, orelhas, mandíbulas, ombros, joelhos, entre as escápulas (omoplatas ). Na verdade, os chacras estão espalhados por todo corpo. Para cada poro do corpo, há um pequeno chacra em correlação direta, no campo vibratório correspondente.

Chacras secundários importantes · Das palmas das mãos (palmochacras); · Das plantas dos pés (plantochacras, também chamado pré-kundalinis); · Do baço (esplenicochacra). Todo chacra principal está conectado a uma glândula. Chacra Kutashta. Literalmente, o ponto mais alto (não do corpo, mas dos nádis Ida e Pingala). Ponto entre as sobrancelhas, de onde descem os nádis Ida e Pingala. Ponto mais alto onde há processamento de prana. Imediatamente abaixo do frontal, é nele (e não no chacra acima, o frontochacra), onde costumam ser feitas algumas visualizações de práticas esotéricas / bioenergéticas normalmente associadas indevidamente ao chacra ajnã (frontal).

Quem costumeiramente ministra passes ou realiza cirurgias, têm os chacras das mãos (palmochacras) desenvolvidos. Quem pratica caridade de forma desinteresseira, afetuosa e frequente, floresce o chacra cardíaco. Quem estuda com afinco , profundidade e constância, desenvolve o chacra frontal. Quem tem por rotina dançar muito pagode, samba, rap, funk, forró, música eletrônica ou rock, prioriza o chacra básico, tal qual o lavrador e o materialista. O mesmo se aplica ao que vive em função do sexo, no tocante ao chacra sexual, ao emotivo, em relação ao chacra umbilical, e ao orador, locutor e docente, desenvolve o chacra laríngeo. Quem é muito espiritualizado (independente de professar religião ou não) tem o chacra coronário robusto. Como a conduta (interior e exterior) do indivíduo determina quais os seus chacras melhor desenvolvidos, há pesquisadores de bioenergias que dividem os segmentos da humanidade em grupos homogêneos, unidos e rotulados em face de seus integrantes priorizarem o(s) mesmo(s) chacra(s).

Extraído do Livro:

Roque, D. C.; Silva, A. L. Estudos Espiritualistas: Ciência e Síntese Oriente Ocidente. Curitiba: Editora ISC, 2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: